sexta-feira, 7 de março de 2014

MULHER: BÊNÇÃO OU MALDIÇÃO? (DIA INTERNACIONAL DA MULHER)


por Gilson Barbosa

Já escrevi uma postagem neste blog sobre a mulher no  cristianismo (leia aqui), mas sempre podemos acrescentar analisando sobre outro prisma e perspectivas. É o que faço nessa postagem em homenagem as mulheres no Dia Internacional da Mulher.

Somente Deus tem o poder, fineza e arte de criar um ser tão precioso e valioso como a mulher. Antes que as mulheres se empolguem demasiadamente, eu disse precioso e valioso, não perfeito, tá? (rsrs). É lógico que os homens também não são perfeitos. Homem e mulher se complementam. Ninguém é superior ao outro, o que há são funções diferenciadas e diferenciação sexual. Homem e mulher dependem um do outro. O apóstolo Paulo lembrou aos irmãos “corintianos” que

... nem o homem é sem a mulher, nem a mulher sem o homem. (I Coríntios 11:11)

Deus notou a solidão de Adão e disse: “Não é bom que o homem esteja só; far-lhe-ei uma ajudadora idônea para ele” (Genesis 2: 18). Adão tinha a companhia dos animais criados pelo Senhor, do próprio Criador, dedicava-se ao trabalho, mas essas coisas não eram suficientes. Eva foi criada da mesma substancia essencial de Adão, mas um ser inteiramente novo. Não foi a toa que Adão exultou de contentamento ao vê-la e compôs o poema abaixo:

Esta é agora ossos dos meus ossos, e carne da minha carne; esta será chamada mulher, porquanto do homem foi tirada. (Genesis 2: 23)

A mulher não é um ser secundário na criação Divina. Deus criou o ser humano para viver em sociedade. A criação do homem e da mulher possui implicações também para o nosso relacionamento com as pessoas em geral. Ninguém é uma ilha. Portanto, “Deus fez cair um sono pesado sobre Adão, e este adormeceu; e tomou uma das suas costelas, e cerrou a carne em seu lugar; e da costela que o Senhor Deus tomou do homem, formou uma mulher, porquanto do homem foi tomada” (Genesis 2:21, 22). Os dois sexos, masculino e feminino, pertencem ao padrão da criação. Ambos possuem em si mesmos a imagem de Deus (Genesis 1:27). Deus estruturou a criação do homem e da mulher de forma perfeita para que se relacionassem harmoniosamente.

Porém, a queda perverteu este relacionamento e passaram a se desentender. A disputa começou logo quando não assumiram seus respectivos erros, ao cederem à tentação do pecado. As divergências não residem necessariamente na composição da natureza feminina ou masculina, mas, nas consequências do pecado. Uma acusação gravíssima é que os homens da Bíblia eram machistas e oprimiam suas mulheres, ou que a própria Bíblia incentiva ao machismo e opressão feminina. Obviamente a sociedade primitiva era patriarcal e ainda que isso não signifique fazer “violência” à liberdade feminina, é verdade que as funções das mulheres bíblicas, bem como suas condições, são estranhas a nossa mente ocidental.

No entanto, percebemos como os homens que temiam ao Senhor amavam e honravam suas esposas, até ao ponto de se submeterem as suas ordens – o que é impensável numa sociedade machista. Note a atitude subserviente de Abrão a exigência de sua esposa Sara (leia Genesis 16:5, 6; 21:9-12). Jacó amava tanto a Raquel que trabalhou (o costume da época) quatorze anos por ela (Genesis 29: 16-27). Poderia dar outros exemplos. Os homens que desonravam suas mulheres certamente desagradavam os mandamentos do Senhor. A Bíblia apenas registra esses fatos, não significa que ela aprova a opressão feminina.

Movimento Feminista

Nesse contexto de ideias entre a relação homem-mulher surgem as reivindicações modernas do movimento feminista. Duas mulheres, no ocidente, foram fundamentais para o feminismo em varias partes do mundo: Simone de Beauvoir e Juliet Mitchell. Produziram tratados e livros importantes suplicando pela libertação feminina imposta pelos homens por meio do sistema capitalista, segundo a teoria marxista. Logo após, mulheres francesas, italianas, brasileiras, americanas, cooptadas pelas feministas socialistas e/ ou marxistas, lutaram arduamente por seus direitos em todas as áreas.

As mulheres cristãs também embarcaram na filosofia das feministas influenciadas pela política de Karl Marx. A luta por direitos, em si, não desabona o movimento feminista. Quero lembrar as mulheres, entretanto, que no marxismo o ser humano não é importante como indivíduo, mas apenas como membro da sociedade. Temos um movimento feminino embrionário na igreja de Corinto quando as mulheres no culto reivindicavam direitos iguais com os homens e um dos seus gestos foi o repúdio ao uso do véu no culto (I Coríntios 11: 1-16), como sinal de submissão. Hoje, a consagração de mulheres ao pastorado possui relação com esse movimento feminino primitivo, em total dissonância bíblica.

Procriação e carreira profissional

Gerar filhos e cuidar do lar são elementos que desestimulam algumas mulheres modernas. As mulheres na sociedade patriarcal, porém, eram incentivadas pelo mandamento divino, e posteriormente pressionadas pela própria cultura, a gerarem muitos filhos. Isso tem feito com que alguns grupos evangélicos defendam que a mulher deve ter tantos filhos quanto o Senhor lhe der e condenam a mulher seguir carreira profissional. É certo que o Senhor deu ordem a Adão e Eva para que tivessem muitos filhos (Gênesis 1:27) e que o ideal divino é a permanência da mulher no contexto do lar cuidando da família. A meu ver o mandamento Divino possui os seguintes significados: 1) não especifica a quantidade de filhos que um casal deva ter; 2) refere-se ao princípio de que o casal deseje ter filhos; 3) a multiplicação da humanidade, das quais a procriação é parte, está ligada ao povoamento da terra. 

Penso que a Bíblia não advoga sobre carreira profissional feminina pelo fato daquela sociedade manter padrões estruturados profissionalmente de forma a não oferecer nem propiciar as devidas oportunidades. Há de se notar também o desenvolvimento do trabalho passando pela sociedade agrária, urbana e industrial. Com o advento da Revolução Industrial o mercado se abre externamente ao trabalho feminino. Na Bíblia temos o exemplo de Lídia que era vendedora de purpura (Atos 16: 14) e não podemos negar que, de alguma forma, as mulheres trabalhavam – ainda que isso não signifique que deixavam seus lares para trabalhar. Não devemos ser dogmáticos nessas questões. Posso estar equivocado, mas penso que certos mandamentos bíblicos devem ser aplicados à luz do entendimento entre costume ou cultura local e princípios universais.   

Bênção ou Maldição?

Não entenda a expressão Bênção ou Maldição no título desta postagem como algo místico, mas em termos de boas ou más realizações. No demais, cumprimento todas às mulheres por ocasião desse dia convencionado como Dia Internacional da Mulher. Que o Senhor as abençoe cada vez mais, e que possam ser conduzidas sabiamente pela mão do Senhor, para a manutenção da família e para a glória de Deus.

Em Cristo, 

Nenhum comentário:

Postar um comentário