quinta-feira, 22 de outubro de 2015

RIQUEZA OU POBREZA?


Resultado de imagem para wealth or poverty

Assim como em muitos outros assuntos a Bíblia trata com muita transparência e naturalidade sobre a questão da pobreza ou riqueza e as implicações quanto a ser pobre ou rico. A Teologia da Prosperidade, com sua sede insaciável de conquistas terrenas, distorce os fatos sobre a vontade de Deus para a vida dos seus servos. Enquanto isso existe uma espécie de demonização do dinheiro ou da riqueza que leva os crentes a uma vida sem realizações pessoais, profissionais, econômicas e financeiras. É necessário equilíbrio.

A pobreza ou ser pobre não se traduz em vantagens espirituais sobre a riqueza ou sobre o rico. Não é nisso que consiste a essência da espiritualidade. Da parábola “sobre o rico e o mendigo”, em Lucas 16:19-31, inferimos que aquele não foi condenado ao Inferno por ser rico, nem este a vida eterna no Paraíso por ser pobre. Fosse assim, na vida eterna com Cristo só haveria pobres. As coisas boas para o rico consistia em prazeres materiais, já para Lázaro estava nas “coisas” de Deus. Lázaro cria em Deus para a salvação de sua alma. O versículo 29 nos dá uma ideia de que o rico não atentava para os mandamentos de Deus.

A Bíblia condena a confiança nas riquezas em detrimento da confiança em Deus (I Tm 6:9,17). Paulo disse que o AMOR ao dinheiro e não o dinheiro em si é a raiz de toda a espécie de males (I Tm 6:10). Jesus condenou os que fazem do dinheiro ou das riquezas o seu único deus. É verdade que há muitas advertências sobre o perigo de darmos prioridade às riquezas em detrimento de uma vida piedosa e temente a Deus. Mas a Bíblia não incentiva a sermos pobres ou afirma que somente nessa condição é possível alguém ser espiritualmente sadio. Os seguidores de Jesus eram tanto ricos como pobres.

Viver uma vida de dificuldades financeiras por pensar que o dinheiro enfraquecerá a fé em Cristo não condiz com nossa condição natural e essencial de pecadores. Não somos pecadores por causa das conquistas terrenas, mas por sermos interiormente inclinados ao pecado. Deus não condena a intenção e o ato de querermos ser bem sucedidos na vida, se houver pureza e sinceridade da nossa parte. Devemos glorificar ao Senhor com todo o nosso ser e em tudo que fizermos (I Co 10:31).
Não devemos ser hipócritas ao repudiarmos a Teologia da Prosperidade enquanto se cobra altos cachês para pregar ou cantar em eventos evangélicos ou quando somos veladamente a favor das riquezas ou das conquistas terrenas. Estude, trabalhe, busque o aperfeiçoamento em todas as áreas de sai vida. Que o Senhor nos ajude a encontrarmos moderação nesta questão.