sábado, 8 de agosto de 2015

NEM TODO MAL É PROVENIENTE DO DIABO

                                                 

Tudo na vida deve ser pautado pelo equilíbrio. Parece tão fácil dizer isso, mas na prática quase sempre nos inclinamos a pender para um lado ou outro de forma impensada e até mesmo irresponsável. Na fé cristã também devemos manter o mesmo entendimento. Nos últimos tempos percebemos a tendência dos crentes de desprezarem todo o conselho das escrituras sagradas nos diversos temas do cristianismo passando a fundamentar a fé evangélica somente nas experiências espirituais.

Isso não é tratado de forma diferente no entendimento sobre certo tipo de batalha espiritual que enfrentamos. As experiências pessoais têm pautado e fundamentado o tema. Não devemos agir assim, mas analisar o que a Bíblia ensina sobre esse assunto.

Encontramos respaldo bíblico para esse assunto em Efésios 6:10-18. Há sim, principados e potestades malignas que lutam contra o povo de Deus. O apóstolo Paulo informa os efésios que os crentes em geral estão numa luta renhida contra esses principados e potestades (Ef 6:12).  Não é diferente também no mundo espiritual. A Bíblia descreve a luta cósmica entre o arcanjo Miguel contra Satanás e suas hostes malignas em Apocalipse 12:7-12. Segundo alguns estudiosos esse fato aconteceu por ocasião da morte e ressurreição de Cristo.

Alguns crentes que caíram em pecado afirmam que pecaram somente devido à atuação maligna em sua vida. Entretanto, Satanás não coage os crentes a pecarem à força, mas usa a sedução como arma. Tanto que ser tentado não se configura em pecado. Todos nós somos tentados pelo Diabo. Ele possui ciladas e estratégias. A orientação paulina é que não devemos dar lugar, ou ceder às tentativas do nosso adversário. O apóstolo Pedro disse que ele “anda em derredor, como leão que ruge procurando alguém para devorar” (I Pe 5:8).

Ao lermos as escrituras sagradas devemos ter o cuidado para não fazermos de casos isolados um padrão para a toda a experiência espiritual. Quero dizer com isso que para muitos crentes todo o mal que acontece é proveniente das forças espirituais do mal. Tudo o que acontece de mal é “culpa” do Diabo. Por exemplo: é verdade que certas enfermidades podem ter como fonte a atuação maligna. O evangelista Lucas informa que Jesus curou uma mulher que “estava possessa de um espírito de enfermidade, havia já dezoito anos; andava ela encurvada, sem de modo algum poder endireitar-se” (Lc 13:11). Indagado pelo chefe que era dia de sábado a efetuação da cura, Jesus respondeu: “Por que motivo não se devia livrar deste cativeiro, em dia de sábado, esta filha de Abraão, a quem Satanás trazia presa há dezoito anos?” (Lc 13:16). Podemos depreender desse fato que todas as enfermidades são resultados de ação diabólica? Não, não podemos.

Outro caso é a confusão em associar obras da carne com influencias espirituais malignas na vida do crente. Os proponentes da batalha espiritual ensinam que adultério, imoralidade, prostituição, roubos, e todos os tipos de pecados são efeitos de espíritos malignos alojados na vida de pessoas. Mas o ensino bíblico é que esses pecados são obras da carne e não atuações diretas de demônios. O apóstolo Paulo afirma que “as obras da carne são conhecidas e são: prostituição, impureza, lascívia, idolatria, feitiçarias, inimizades, porfias, ciúmes, iras, discórdias, dissensões, facções, invejas, bebedices, glutonarias e coisas semelhantes a estas” (Gl 5:19-21). Dizem mais, se determinado crente possui certas fraquezas em algumas áreas de sua vida ele precisa expulsar esses espíritos por meio de “declaração ou ordem profética”. Por isso é muito comum em certos cultos ouvir pregadores expulsando o “espírito da mentira, do adultério, da frieza, etc”. Na verdade deveriam advertir os pecadores ao arrependimento de seus pecados. As pessoas precisam de regeneração que resultará simultaneamente em libertação e não o oposto. Nesse sentido sou contrário aos “cultos de libertação” que acontecem em algumas igrejas evangélicas.

Há até mesmo orações ordenando que demônios deixem de agir em certas ruas, bairros, cidades, etc – esses demônios são denominados de “espíritos territoriais”. Que certos demônios atuem diretamente em ruas, bairros, cidades ou nas instituições como a política, educação, cultura ou governo induzido pessoas a corrupção, crime, violência, drogas, sexo, é apenas um entendimento isolado de certas passagens bíblicas.  Satanás não age em coisas, mas sim em pessoas.  O apóstolo Paulo informa os crentes efésios que outrora todos nós andávamos “segundo as inclinações da nossa carne, fazendo a vontade da carne e dos pensamentos; e éramos, por natureza, filhos da ira, como também os demais” (Ef 2:3). O padrão de pecar é que pecamos por conta da nossa própria natureza adâmica, inclinada ao pecado. O Diabo apenas nos tenta. É verdade que em certo sentido ele controla este mundo (I Jo 5:19), mas é limitado pela soberania e poder de Deus (Jó 2:6) e não detém o poder da morte eterna: “Visto, pois, que os filhos têm participação comum de carne e sangue, destes também ele, igualmente, participou, para que, por sua morte, destruísse aquele que tem o poder da morte, a saber, o diabo” (Hb 2:14).    

O ser humano não pode fugir da sua responsabilidade ao atribuir todo o acontecimento ruim em sua vida ou no mundo a atuação direta do Diabo e seus anjos. Existem acontecimentos ruins em nossa vida que são frutos do nosso próprio pecado, condutas e escolhas (mal moral). Outros “podem” ter a ação direta do Diabo em “algumas” ocasiões (males circunstanciais). A regra é não ultrapassar o limite imposto pelas escrituras sagradas (I Co 4:6). O que preciso que você entenda é que tudo o que podemos saber sobre principados e potestades do mal e da atuação do Diabo no mundo deve ser proveniente da Bíblia e não de experiências pessoais.


Nenhum comentário:

Postar um comentário