sábado, 25 de abril de 2015

APÓSTOLOS MODERNOS

Resultado de imagem para modern apostles and the prophets benny hinn and othersPresenciamos na igreja evangélica brasileira uma “febre” de líderes se autointitulando “apóstolos e profetas”. Os apóstolos modernos se sentem os verdadeiros ocupantes da cadeira apostólica. Na mente deles este cargo deve ser preenchido, portanto sob nenhuma hipótese pode ficar vazio. Para eles isso é uma questão de origem: se Cristo tinha apóstolos, que por sua vez produziam sinais e milagres (e estes são para os dias atuais), não faz sentido não tê-los hoje. Também buscam recursos da hermenêutica para validar biblicamente suas justificativas. Citam, por exemplo, Efésios 4:11.

O pastor Hernandes Dias Lopes diz o seguinte sobre esse texto:

Jesus tinha muitos discípulos, mas apenas doze apóstolos. Um discípulo é um seguidor, um apóstolo é um comissionado. Os apóstolos tinham de ter três qualificações: 1) conhecer pessoalmente a Cristo (l Co 9.1,2); 2) ser testemunha titular da sua ressurreição (At 1.21-23); 3) ter o ministério autenticado com milagres especiais (2Co 12.12). Nesse sentido, não temos mais apóstolos hoje. Num sentido geral, todos nós fomos chamados para ser enviados (Jo 20.21). O verbo grego apostello quer dizer “enviar”, e todos os cristãos são enviados ao mundo como embaixadores e testemunhas de Cristo para participar da missão apostólica de toda a igreja. Expressamos nossa convicção de que, hoje, uma igreja apostólica é aquela que segue a doutrina dos apóstolos, e não aqueles que dão a seus líderes o título de apóstolos. Francis Foulkes é categórico quando afirma: “A partir da própria definição de apóstolo, é evidente que seu ministério devia cessar com a morte da primeira geração da igreja”.  

A meu ver os apóstolos modernos pensam possuir a terceira qualificação: a produção e realização de milagres. Creio que Deus na sua providencia pode produzir milagres em nossos dias, portanto, creio no milagre da providencia Divina. Mas o milagre ordinário não é mais condição para alguém reivindicar o título de apóstolo. Creio também que o meio usado por Deus na efetuação de milagres é a oração, e não a palavra “profética” proferida pelos lábios seletivos de determinadas pessoas. Desta forma a oração intercessora individual ou coletiva dos crentes pode ser atendida pelo Senhor. Entendo que devemos orar, sim, em favor dos necessitados e dos que estão sofrendo. Mas deve prevalecer a vontade do Senhor e não a decretação profética.

Os apóstolos modernos são extravagantes e apresentam perfis “estranhos” dos apóstolos quando comparados ao de nosso Senhor Jesus Cristo. A começar pelos seus ensinos, tão diferentes. Alguém pode dizer: “Mas eles realizam milagres, certo”? Bom, pra início de conversa os milagres necessariamente não comprovam a veracidade ou proporcionam legitimidade a determinada pessoa ou ministério denominacional. Em segundo lugar, há muita confusão quanto às operações e resultados destes supostos milagres. E por fim estes apóstolos também dizem serem profetas que recebem de Deus a suposta revelação dos problemas das pessoas. O pastor Heber Carlos de Campos afirma que a atitude alguns profetas modernos pode ser de adivinhação, de manipulação mental e, até de hipnose de um público afoito e carente de manifestações espetaculares para crerem.  


Não estou julgando a pessoa dos apóstolos modernos, mas sim os seus comportamentos estranhos quando confrontados com a vida dos verdadeiros apóstolos de Cristo. 

No amor de Cristo,

Nenhum comentário:

Postar um comentário