segunda-feira, 9 de maio de 2011

OBRAS DO ESPÍRITO SANTO NO NOVO TESTAMENTO

Por Gilson Barbosa
O leitor da Bíblia perceberá que o Espírito Santo esteve sempre ativo no Antigo Testamento, contudo, é no Novo Testamento que Ele está muito mais evidente em Cristo, nos cristãos e no início da Igreja primitiva, enfim, em todos os atos da história Ele sempre agiu. Ao analisarmos profundamente esta doutrina, veremos que o Espírito Santo agiu com suas variadas formas nas pessoas. Considere, por exemplo:
O Espírito Santo em João Batista
João Batista, segundo o próprio Jesus, era um grande homem: “Em verdade vos digo que, entre os que de mulher têm nascido, não apareceu alguém maior do que João o Batista” (Mt 11.11). João seria o responsável por prenunciar a vinda do Messias: “Eis que eu envio o meu mensageiro, que preparará o caminho diante de mim; e de repente virá ao seu templo o Senhor, a quem vós buscais; e o mensageiro da aliança, a quem vós desejais, eis que ele vem, diz o SENHOR dos Exércitos”       (Ml 3.1).
O ministério de João Batista é, também, semelhante ao de Elias. A própria Bíblia nos mostra isso: “Eis que eu vos enviarei o profeta Elias, antes que venha o grande e terrível dia do SENHOR; e ele converterá o coração dos pais aos filhos, e o coração dos filhos a seus pais; para que eu não venha, e fira a terra com maldição” (Ml 4.5,6).
Os espíritas querem lançar mão de alguns textos para, supostamente, afirmarem que João Batista era a reencarnação de Elias, mas o coerente é raciocinar que João Batista cumpriu essa singular expectativa, quando preparou o caminho para o próprio Cristo. O versículo 6 de Malaquias descreve que quando Elias chegasse  “ele converteria o coração dos pais aos filhos, e o coração dos filhos a seus pais; para que eu (Deus) não viesse, e ferisse a terra com maldição”. Mas como isto sucederia? Vemos a atuação do Espírito Santo na vida de João Batista:
Antes do seu nascimento
Quando o anjo Gabriel se referiu ao nascimento de João Batista, disse: “Porque será grande diante do Senhor, e não beberá vinho, nem bebida forte, e será cheio do Espírito Santo, já desde o ventre de sua mãe” (Lc 1.15; grifo do autor). E reiterou o que o profeta Malaquias tinha vaticinado: “E converterá muitos dos filhos de Israel ao SENHOR seu Deus, e irá adiante dele no espírito e virtude de Elias, para converter os corações dos pais aos filhos, e os rebeldes à prudência dos justos, com o fim de preparar ao Senhor um povo bem disposto” (Lc 1.16,17; grifo do autor).
Ao nascer
Zacarias, o pai de João Batista, que até então estava mudo por não crer na mensagem que o anjo lhe entregara a respeito do nascimento milagroso de João Batista, agora abre seus lábios e passa a alegrar-se no Senhor: “E Zacarias, seu pai, foi cheio do Espírito Santo, e profetizou, dizendo: [...] E tu, ó menino, serás chamado profeta do Altíssimo, porque hás de ir ante a face do Senhor, a preparar os seus caminhos; para dar ao seu povo conhecimento da salvação, na remissão dos seus pecados” (Lc 1.67,76,77).
No seu ministério
João Batista não tinha medo de chamar os “homens” incrédulos ao arrependimento: “E percorreu toda a terra ao redor do Jordão, pregando o batismo de arrependimento, para o perdão dos pecados” (Lc 3.3); anunciou a salvação de forma coerente e contundente (Lc 3.5,6); não se amedrontava em usar toda a sua energia ao chamar a atenção dos pecadores (Lc 3.7-9). Dizer que João Batista realizou tudo isso é descobrir que nele habitava a pessoa e o poder do Espírito Santo.
O Espírito Santo em Jesus Cristo
A ação do Espírito Santo no ministério de Jesus – como não poderia deixar de ser –  foi explícita. Vejamos:
A concepção virginal de Cristo
Já estava profetizado por Isaías como se daria o nascimento de Jesus: “Portanto o mesmo Senhor vos dará um sinal: Eis que a virgem conceberá, e dará à luz um filho, e chamará o seu nome Emanuel” (Is 7.14). Quando a jovem Maria, perplexa, indaga como isso aconteceria, o anjo lhe explica: “E disse Maria ao anjo: Como se fará isto, visto que não conheço homem algum? E, respondendo o anjo, disse-lhe: Descerá sobre ti o Espírito Santo, e a virtude do Altíssimo te cobrirá com a sua sombra; por isso também o Santo, que de ti há de nascer, será chamado Filho de Deus” (Lc 1.34,35; grifo do autor). Embora Jesus se tornasse uma criatura ao nascer, isto se deu sem a mancha do pecado, conforme registra Hebreus 7.26: “Porque nos convinha tal sumo sacerdote, santo, inocente, imaculado, separado dos pecadores, e feito mais sublime do que os céus”, isto só foi possível através da ação do Espírito Santo”.
A apresentação no templo
O Espírito Santo é mencionado logo após o nascimento de Jesus, o que evidencia sua identificação com Cristo. A Bíblia diz de um homem chamado Simeão nestes termos: “Havia em Jerusalém um homem cujo nome era Simeão; e este homem era justo e temente a Deus, esperando a consolação de Israel; e o Espírito Santo estava sobre ele. E fora-lhe revelado, pelo Espírito Santo, que ele não morreria antes de ter visto o Cristo do Senhor. E pelo Espírito foi ao templo e, quando os pais trouxeram o menino Jesus, para com ele procederem segundo o uso da lei, ele, então, o tomou em seus braços, e louvou a Deus, e disse: Agora, Senhor, despedes em paz o teu servo, segundo a tua palavra; pois já os meus olhos viram a tua salvação, a qual tu preparaste perante a face de todos os povos; luz para iluminar as nações, e para glória de teu povo Israel” (Lc 2.25-32; grifo do autor). Somente nestes trechos o Espírito Santo é mencionado três vezes.
No batismo de Jesus
O Espírito Santo, em forma de pomba, veio sobre Jesus na ocasião de seu batismo e o próprio Deus tinha dito a João Batista sobre este episódio: “E João testificou, dizendo: Eu vi o Espírito descer do céu como pomba, e repousar sobre ele. E eu não o conhecia, mas o que me mandou a batizar com água, esse me disse: Sobre aquele que vires descer o Espírito, e sobre ele repousar, esse é o que batiza com o Espírito Santo” (Jo 1.32,33; grifo do autor).
Na tentação de Jesus
“Então foi conduzido Jesus pelo Espírito ao deserto, para ser tentado pelo diabo” (Mt 4.1).
“E logo o Espírito o impeliu para o deserto” (Mc 1.12).
“E Jesus, cheio do Espírito Santo, voltou do Jordão e foi levado pelo Espírito ao deserto” (Lc 4.1).
No ministério de Jesus
O Espírito Santo esteve ativo no ministério de Cristo: “Então, pela virtude do Espírito, voltou Jesus para a Galiléia, e a sua fama correu por todas as terras em derredor” (Lc 4.14; grifo do autor).
“O Espírito do Senhor é sobre mim, pois que me ungiu para evangelizar os pobres. Enviou-me a curar os quebrantados do coração” (Lc 4.18).
O Espírito Santo atuou na vida de Jesus até a morte e, depois da morte, segue atuando...

Nenhum comentário:

Postar um comentário