quinta-feira, 3 de maio de 2012

TIATIRA, A IGREJA TOLERANTE (Subsídio EBD)

Por Gilson Barbosa

Os pastores das sete igrejas da Ásia foram submetidos a fortes emoções. Fico tentando imaginar a fisionomia do rosto, o pulsar do coração, o calafrio, o gozo da aprovação ou o medo da reprovação Divina, quando começaram a leitura das cartas. Algo me constrange a refletir: Se uma igreja estivesse aos meus cuidados pastorais como me sentiria e qual seria minha reação ao ler uma carta enviada pelo Senhor a mim? Será que eu seria aprovado ou reprovado por Ele em meu pastoreio? Faça dessas, tuas reflexões também leitor. Se pastoreias uma igreja, podes fazer uma autoavaliação, à luz destas cartas? Que o Senhor se agrade de ti, se não...

Alguém disse que é melhor aprender com os erros dos outros do que cometermos nossos próprios erros para aprendermos algo. Digo, ao contrário, que quase sempre vamos cometer os erros que outros estão cometendo. Difícil não é extrair lições dos erros (dos outros e dos nossos), difícil mesmo é não errar por si próprio. Os pastores das Igrejas de Pérgamo e Tiatira estavam cometendo, sem saber, erros muito semelhantes. Estavam de certa forma sendo complacentes a despeito de heresias e imoralidades. Em Pérgamo apoiavam a doutrina de Balaão, em Tiatira eram ensinados por uma falsa profetisa, comparada a ímpia Jezabel. Os dois toleravam o que o próprio Senhor condenava. Não somos melhores, mais amorosos, nem mais sábios que Deus, se Ele não tolera esses pecados, muito menos nós devemos tolerar.   

Jesus se apresenta ao pastor da igreja como o Filho de Deus e descreve dois aspectos de seu poderio e atributos. Essa apresentação é necessária, pois, descreve que Ele conhecia profundamente o coração e a mente das pessoas dali (olhos como chama de fogo), e julgaria os pecadores da igreja com força e firmeza (pés como bronze reluzente). Essas descrições são semelhantes àquelas que João havia tido em sua visão (Ap 1: 14,15) e confirmam a Deidade de Jesus Cristo.

A descrição que temos aqui está em dois aspectos: (1) Que os seus olhos são como chamas de fogo, significando seu conhecimento agudo, de todas as pessoas e coisas, “aquele que sonda as mentes e os corações” (v.23), e vai fazer com que todas as igrejas saibam o que Ele faz. (2) Que os seus pés são como latão reluzente, que as emanações da sua providencia são constantes, tremendas e totalmente puras e santas. Assim como Ele julga com sabedoria perfeita, assim Ele age com força e firmeza perfeitas. (Comentário Bíblico Matthew Henry).

Descrever o Senhor Jesus com olhos como chamas de fogo significa que Ele “sonda mentes e corações” (v.23). Ele é onisciente e não adianta tentar iludi-lo admitindo heresias de perdições no meio da igreja. A expressão “mente”, do versículo 23, no original é nephroi (rins) e refere-se aos aspectos mais íntimos e secretos da personalidade. Deus conhecia quais eram as intenções mais profundas da falsa profetisa bem como também o motivo pelos quais o pastor da igreja tolerava seus ensinamentos. Há uma tímida opinião de que a pessoa  que estava corrompendo os crentes poderia ser a mulher do pastor da igreja de Tiatira, pois, há manuscritos que trazem em lugar de “essa mulher Jezabel” (v.20), “sua mulher Jezabel”; porém não devemos afirmar nem confirmar esse entendimento.

As características positivas do pastor da igreja eram as suas obras, o seu amor, a sua fé, o seu serviço e a sua perseverança e também sua produtividade.

Conheço as tuas obras, o teu amor, a tua fé, o teu serviço, a tua perseverança e as tuas ultimas obras, mais numerosas do que as primeiras. (Ap 2:19).

Dizem que assim como é o pastor é a igreja, portanto, essas qualidades são também da igreja local. As obras incluíam a manifestação do amor tanto a Deus como ao próximo, a sua fé (confiança) se expressava nas qualidades externas de serviços e perseverança. Aparentemente temos um excelente pastor e uma ótima igreja. Um homem amoroso, diligente, incansável no serviço ministerial e constante em prol da igreja. E não bastasse, ele investia pesado nestas qualidades. Diz o autor Simon Kistemaker:

La iglesia no podía recibir alabanza mayor que la que se expresa en las palabras “tus últimas obras son mayores que tus primeras”. Esto quiere decir que sus obras de amor, fe, servicio y perseverancia crecían constantemente. Con respecto al amor, Tiatira recibió palabras de alabanza en tanto que Éfeso las recibió de condena. Jesús dijo a los cristianos en Éfeso: “Pero tengo esto contra vosotros, que habéis abandonado vuestro primer amor” (2:4).

Mas, amor sem firmeza, sem correção, sem admoestação, não é verdadeiro amor. O líder pastoral que apresenta às suas ovelhas apenas o atributo do amor de Deus é semelhante àquele que edifica sua casa sobre areia (Mt 7:26): demonstra insensatez. A boa teologia não pode ser negligenciada em nossos cultos, para a saúde espiritual da igreja. Tive o privilégio de trocar e-mails com o comentarista deste trimestre (Pr Claudionor Correa de Andrade), onde concordamos que toda a pregação da Palavra de Deus deve ser um constante ensinamento. Inúmeros crentes, notadamente pentecostais, diferenciam pregações nos cultos públicos (principalmente em congressos, festas) de ensinamentos expositivos (escolas dominicais, Escola Bíblica de Obreiros). Infelizmente, estamos colhendo os frutos desse terrível pensamento.

Após o elogio, o Senhor Jesus denuncia a tolerância do pastor da igreja com uma “ensinadora” que se passava por profetisa; ou seria uma profetisa que queria ensinar a igreja?

No entanto, contra você tenho isto: você tolera Jezabel, aquela mulher que se diz profetisa. (Ap 2.20 – NVI)

Com esta repreensão aprendemos que não devemos nem podemos aceitar ou admitir que toda ou qualquer pessoa ocupe a tribuna da igreja para pregar a Palavra de Deus. Esta falsa profetisa tinha acesso irrestrito ao ensinamento da igreja e isso trouxe prejuízos incalculáveis, de valor eterno. É melhor que somente aqueles a quem o Senhor convocou, e investiu de autoridade, isto é, os pastores e mestres, preguem à igreja do Senhor. Paulo diz a Timóteo que foi constituído por Deus como pregador, apóstolo e mestre (2 Tm 1:11); convictamente deixa claro que era Timóteo quem deveria instruir a igreja sob sua responsabilidade (2 Tm 2:14) e caso necessitasse de apoio ministerial deveria contar com homens fiéis que fossem capaz de ensinar a outros (2 Tm 2:2). Aqui notamos duas coisas: a fidelidade teológica dos cooperadores e a capacidade de ensinar outras pessoas. Isto significa zelo doutrinário (o que compreende fidelidade à interpretação das Escrituras) e preparo educacional, tanto secular quanto teológico. Como um líder pastoral, que se diz comprometido com as Santas Escrituras, é capaz de fazer concessão e franquear “seu” púlpito a pregadores espúrios de mensagens distorcidas? Como entregar a responsabilidade para um cooperador que não tenha habilidade para ensinar ortodoxamente a igreja de Cristo?

Fico a pensar: aonde (por onde andava) estava o pastor da igreja de Tiatira que não participava dos cultos em que a “pregadora” iria ensinar a igreja, sob a sua responsabilidade? Se participava dos cultos, por que permitia tão escrupuloso doutrinamento? Não percebia que alguns crentes estavam cometendo imoralidades sexuais e comiam alimentos sacrificados aos ídolos? Esse pastor, no mínimo, era culpado de negligência. Com muita propriedade escreve o pastor Hernandez Dias Lopes em seu livro Ouça o que o Espírito diz às Igrejas:

A igreja de Tiatira era contaminada pela falsa doutrina. Não era uma igreja criteriosa acerca da verdade. Cedia seu púlpito sem qualquer critério àqueles que se diziam crentes, mas apresentavam falsos ensinos. Essa é também uma dolorosa realidade na igreja contemporânea. Multiplicam-se os falsos mestres e abundam as igrejas que abrem suas portas e franqueiam seus púlpitos a aventureiros descomprometidos com a sã doutrina. Somos uma igreja analfabeta na Palavra. Temos extensão, mas não temos profundidade. Temos muitos espetáculos grandiosos, mas não temos a Palavra. Temos muitos atores no palco, mas poucos pregadores fiéis nos púlpitos. Estamos precisando de uma nova reforma na igreja, uma reforma que traga de volta o povo de Deus à Palavra.    

Os bons comentaristas da Bíblia Sagrada dizem que era corrente na cidade de Tiatira a existência de gremiações corporativas afins de mútua proteção e benefícios recreativos. Os trabalhadores profissionais na área comercial (lã, couro, linho, bronze, tintureiros, alfaiates, vendedores de púrpura) necessitavam obrigatoriamente de amparo para obtenção de sucesso profissional e lucros financeiros. Nas reuniões corporativas alimentos sacrificados aos ídolos eram servidos aos associados e cada uma delas (das gremiações) tinham seus patronos – divindades pagãs. Os profissionais cristãos de Tiatira enfrentavam certo dilema: participariam das festas destas gremiações para serem bem sucedidos profissionalmente e continuarem lucrando financeiramente? É aqui que entra o ensinamento da falsa profetisa da igreja de Tiatira. Valho-me novamente da informação do pastor Hernandez Dias Lopes:

Nessa situação Jezabel fingiu saber a solução. Disse ela: para vencer a Satanás é preciso conhecer as coisas profundas de Satanás. O ensino de Jezabel enfatizava que não se pode vencer o pecado sem conhecer profundamente o pecado pela experiência.

Sendo assim o “negócio” descambou para as imoralidades sexuais e a  paganização alimentícia. Alguns crentes em Tiatira se descuidaram da santidade, passaram a amar o mundo ao frequentarem “festinhas” das corporações, parar nas rodas dos escarnecedores tornou-se algo comum, ficaram parecidos com os pagãos – pessoas não cristãs que não tinham conhecimento do alto padrão moral do cristianismo e da santidade exigida pelo Senhor Jesus.

O juízo Divino viria sobre a “Jezabel” de Tiatira e aos simpatizantes dos seus ensinos, denominados por Jesus de “filhos dessa mulher”. Estes seriam mortos pelo justo Juiz. Segundo Matthew Henry esta morte refere-se à segunda morte, a eterna separação de Deus, estariam destinados por Cristo à vergonha e desprezo eterno (leia em comentário de Apocalipse, Ed: CPAD).

Dei-lhe tempo para que se arrependesse da sua imoralidade sexual, mas ela não quer se arrepender. Por isso, vou fazê-la adoecer e trarei grande sofrimento aos que cometem adultério com ela, a não ser que se arrependam das obras que ela pratica. Matarei os filhos dessa mulher. Então, todas as igrejas saberão que eu sou aquele que sonda mentes e corações, e retribuirei a cada um de vocês de acordo com as suas obras. (Ap 2: 21-23).

Preciso concluir dizendo que sempre há os que sofrem calado nas igrejas. São os crentes fiéis ao Senhor. Estes, repudiaram os ensinamentos e o estilo de vida da falsa profetisa. Desculpe minha expressão leitor, mas, a falsa ensinadora ainda tinha a “cara de pau” de adjetivar seus ensinos de “profundos segredos”, aos quais Jesus acrescenta que são segredos diabólicos.

Aos demais que estão em Tiatira, a vocês que não seguem a doutrina dela  e não aprenderam, como eles dizem, os profundos segredos de Satanás, digo: Não porei outra carga sobre vocês. (Ap 2:24).

E quanto ao pastor da igreja? Será que aprendeu a lição? Espero e penso que sim! Continuou a franquear o púlpito da igreja sob sua responsabilidade às pessoas, que, ainda que fossem da sua confiança pessoal, não possuíam as qualificações necessárias? Tomara que não!

Enfim, deixemos de fingir que não há heresias e pecados grotescos, distorções doutrinarias, e despreocupação com o ensino da boa teologia no seio de muitas igrejas evangélicas. Não podemos franquear o acesso irrestrito de neófitos e amadores para doutrinar nossas igrejas. Não podemos alegar desconhecimento sobre a ortodoxia teológica, pois, até mesmo esse humilde blog tem servido para abrir os olhos de muitos. Só não percebe quem não quer. Só não vê quem é cego para essas coisas.

Que Deus nos ajude!

Em Cristo,
     

3 comentários:

  1. O grande problema irmão Gilson é que púlpito em muitas igrejas se tornou o lugar onde as amizades são consolidadas. Já ouvi muitos questionamentos como: "Como ele pode ser meu amigo se nunca me convidou para pregar na igreja dele?". Já se tornou tradicional a "troca de púlpito" ou seja, um pastor convida o amigo para pregar em seu púlpito e em troca recebe o convite para pregar no púlpito dele. Na maioria desses casos, o que conta não é a vocação,o preparo e o compromisso com a ortodoxia que cada um tem, mas simplesmente a amizade.

    Que o Senhor tenha misericórdia do Seu povo!

    Pr. Rosivaldo Sales

    ResponderExcluir
  2. Pr Rosivaldo,

    E com isso o povo do Senhor recebe "mensagens" só se for do além, do mundo dos mortos, pois, do Deus vivo é que não é.

    Grande abraço pastor. Obrigado por seu comentário.

    ResponderExcluir