terça-feira, 24 de julho de 2012

CIENTOLOGIA: A RELIGIÃO DOS FAMOSOS EM BUSCA DA SAÚDE MENTAL

Por Gilson Barbosa



Nas ultimas semanas a notícia do divórcio do ator Tom Cruise e Katie Holmes atraiu a mídia para a especulação de que um dos motivos da separação foi a religião de Tom: a Igreja da Cientologia. 


A Cientologia é conhecida como a religião dos famosos norte-americanos (Mimi Rogers, Chick Corea, John Travolta, Tom Cruise, Will Smith, etc)Foi fundada em 1954 por Lafayette Ron Hubbard (1911-1986). A expressão “cientologia” foi cunhada por Hubbard e vem da palavra latina scio que significa “saber no sentido mais lato da palavra”, e da palavra grega logos que significa “estudo de”. Significa saber como saber. Cientologia define-se também como “o estudo e tratamento do espírito em relação a si mesmo, universos e outras formas de vida”.[1]

Segundo informações “A origem do sucesso da cientologia é o livro Dianética: a Moderna Ciência da Saúde Mental, publicado em 1950 por Hubbard. O livro permaneceu na lista dos mais vendidos do The New York Times por 28 semanas consecutivas. Mesmo depois de banida pela Associação Americana de Psicologia, a dianética serviu de base para a fundação da Igreja da Cientologia”.[2]

A expressão “dianética” vem do grego “dia”, através, e “nous”, razão, mente. A dianética é uma das principais crenças da Cientologia cujo objetivo é promover a saúde mental; é um conjunto de ideias e práticas relativas à relação metafísica entre a mente e o corpo. Primeiro Hubbard escreveu o livro Dianética, e, após a condenação do livro pela Associação Americana de Psicologia, e perto da ruína financeira, viu na nova crença sua salvação. Certa vez ele disse a um amigo: “'Eu gostaria de fundar uma religião. É aí que está o dinheiro”.

O Dicionário de Religiões, crenças e ocultismo, página 95, informa que um conceito fundamental da Cientologia é que “a mente é dividida em duas partes básicas: a analítica e a reativa. A primeira percebe, lembra e conduz os processos do raciocínio. A segunda registra os engramas[3]. A mente é vulnerável aos engramas durante os momentos traumáticos, principalmente nos estágios pré-natais e no nascimento. Essas experiências, que muitas vezes são extremamente dolorosas, não são lembradas pela mente analítica; portanto, não estão aparentes no nível da consciência. A chave para se alcançar a saúde mental é submeter-se ao exame e ao tratamento de um auditor[4]”.

A iniciação do adepto da Cientologia é condicionada a participar das sessões de terapia (denominada de audições) para a purificação dos engramas (que seriam como cicatrizes, marcas tristes, traumáticas e profundas do passado). A mente reativa deve ser limpa para que a mente analítica tenha saúde e paz. Desta forma a Cientologia “promete aos seus adeptos melhorar sua capacidade de comunicação e diminuir seus sofrimentos, ensinando-as a lidar com as pessoas e seu meio”.[5] As sessões terápicas possuem vários níveis e todas são pagas (e bem pagas!) até que o adepto esteja totalmente “limpo”. A Revista Época acrescenta:

Ao ingressar na cientologia, o fiel tem de passar por sessões de 'audição', uma espécie de psicoterapia em que um membro mais experiente da igreja estimula o novo adepto a enfrentar suas angústias. O resultado é avaliado por meio de um aparelho conhecido como eletropsicômetro, que funciona mais ou menos como os detectores de mentira, captando alterações nas pequenas correntes elétricas do corpo. Além de expor sua vida pessoal, o fiel também precisa pôr a mão no bolso.

O conceito hamartiológico  da Igreja da Cientologia é que o homem é basicamente bom, o que precisa mesmo é tão somente purificar, limpar sua mente por meio de método humano e tecnológico. O cristianismo bíblico afirma o contrário:

Todos se extraviaram, e juntamente se fizeram inúteis. Não há quem faça o bem, não há nem um só. (Romanos 3:12)

... e ele é a propiciação pelos nossos pecados e não somente pelos nossos próprios, mas ainda pelos do mundo inteiro. (I João 2:2).

Para a Cientologia o homem é a encarnação de seres extraterrestres. “De acordo com os cientologistas, há 75 milhões de anos o maligno Lorde Xenu comandava 75 planetas superpovoados em galáxias próximas da Terra. Para resolver o problema, ele mandou 13,5 trilhões desses ETs para cá e os atirou sobre vulcões. Lá, eles se transformaram em espíritos chamados thetans, que hoje habitam os corpos dos seres humanos. Mais de 10 milhões de pessoas, espalhadas por 159 países, acreditam nessa história, segundo os representantes da igreja. A Cientologia tem mais de 6 mil templos, sedes e missões espalhados pelo mundo, instalados em imóveis avaliados em alguns bilhões de dólares”. [6] Para o cristianismo bíblico o ser humano foi criado à imagem e semelhança de Deus, diretamente por sua mão:

E disse Deus: Façamos o homem à nossa imagem, conforme à nossa semelhança; e domine sobre os peixes do mar, e sobre as aves dos céus, e sobre o gado, e sobre toda a terra, e sobre todo o réptil que se move sobre a terra. E criou Deus o homem à sua imagem; à imagem de Deus o criou; macho e fêmea os criou. (Gênesis 1:27, 28).

O conceito de Deus, na Cientologia, é expresso como a Oitava Dinâmica[7] — o impulso para a existência como infinito. Isto também se identifica como o Ser Supremo. Enquanto a Oitava Dinâmica, o conceito de Deus em Cientologia repousa no ápice da sobrevivência universal. A ideia básica é que Deus é um ser impessoal, uma “força de vida”, é a totalidade de tudo (uma espécie de confusão entre Deus como o Criador e as demais coisas criadas, entendendo ambas como uma fusão). O universo contem muitos deuses e existem divindades até mesmo acima deles, crê o cientologista. No cristianismo bíblico Deus é um Ser pessoal, que se relaciona com seu povo. O cristianismo cristão afirma o monoteísmo, a triunidade e a singularidade de Deus.


     Ouve, Israel, o Senhor nosso Deus é o único Senhor. (Dt 6:4)

De sorte que, [Jesus] exaltado pela destra de Deus, e tendo recebido do Pai a promessa do Espírito Santo, derramou isto que vós agora vedes e ouvis. (Atos 2:33).

Assim diz o Senhor, Rei de Israel, e seu Redentor, o Senhor dos Exércitos: Eu sou o primeiro, e eu sou o último, e fora de mim não há Deus. (Isaías 44:6)

Existem outros pontos divergentes entre a Cientologia e o cristianismo bíblico. Jesus, por exemplo, é apenas um “mestre”, um “exemplo de fé, moral e conduta”. É como se Jesus se encontrasse no último estágio apregoado pela Cientologia: uma sombra limpa, detentor da saúde mental. Para nós, no entanto, Jesus foi enviado por Deus para salvar a humanidade dos seus pecados (que os cientologistas negam), verdadeiro Deus e homem, mediador entre Deus e o homem. Se Jesus tivesse apenas seu exemplo moral para nos oferecer não teria poder para resgatar a humanidade dos seus pecados e oferece-las vida eterna. Aliás, é bom que saibam que a Cientologia mistura elementos de várias religiões, como hinduísmo, budismo e cristianismo.

Por fim vejo a Cientologia como uma religião de autoajuda. Misturam elementos da religião, ciência e filosofia na tentativa de estudar o espírito e entender a relação de cada pessoa consigo mesma, o universo e outras formas de vida. No entanto, para o cristão ela nada tem a oferecer, pois contradiz pontos fundamentais da fé que defendemos. Ela também não trabalha o conceito de eternidade, negando a realidade do inferno e do céu. Na verdade, os cientologistas estão como alguns dos famosos judeus nos dias de Jesus: não querem vir a Cristo para terem verdadeiramente vida. (João 5:39).


Em Cristo,
         

[1] Explicação extraída do próprio site da igreja no Brasil.
[2] Revista Época, edição nº 411, 31/03/2006.
[3] Eventos negativos que ocorrem na vida de um indivíduo são registrados na mente reativa em forma de engramas. Essas forças negativas não estão disponíveis à mente analítica, mas a afetam por meio de imagens mentais que emergem ocasionalmente.
[4] Pessoa treinada na cientologia para administrar o tratamento terapêutico aos pacientes ou iniciantes da Cientologia.
[5] Mensageiro da Paz, outubro de 2006, p. 16.
[6] Revista Época, edição nº 411, 31/03/2006.
[7] A Cientologia trabalha com a ideia de 8 dinâmicas. As dinâmicas são certos princípios fundamentais que podem ser amplamente utilizados para melhorar qualquer condição das pessoas. Deus, no caso, é a oitava dinâmica. 

Um comentário:

  1. Graça e Paz
    Amado Irmão brilhantemente falas com sabedoria, e de forma esclarecedora essa postagem e deveria se tornar de conhecimento comum e não apenas ha uma minoria que ainda se interessa pela doutrina do "Sagrado", e buscam em meio a escassez do Verdadeiro Cristianismo o sentido e o proposito de toda a existência. que é o plano perfeito arquitetado por Deus, mesmo que omitido por homens que carregam a incumbência de anunciar as virtudes Daquele que nos trouxe das trevas para a maravilhosa Luz. Amado creio que é louvavel a sua luta e seu interesse a qual conheço bem não desista e nem deixe que a sua fé venha diminuir frente a tantas afrontas contra o nosso DEUS .
    Permaneça em ti a FÉ a ESPERANÇA e o AMOR .
    Amem.
    Att
    CIDO

    ResponderExcluir