terça-feira, 10 de setembro de 2013

AOS CRENTES PRATICANTES DE IOGA, MEDITAÇÃO, HIPNOSE...

Por Gilson Barbosa

A ciência não tem autoridade nem legitimidade para legislar em matéria de fé; ainda que suas pesquisas a favoreça e incentive sua busca. Hoje em dia a ciência até mesmo reconhece os benefícios de ser um religioso. No entanto em matéria de religião a ciência é eclética, sincrética, dá tiros para todos os lados. Seus estudos podem favorecer tanto ortodoxos quanto heterodoxos. É por isso que não devemos nos apoiar em suas teses, pois ela vê benefícios em algumas práticas que no fundo quase sempre contradiz o verdadeiro cristianismo. É o caso dos benefícios da meditação ou da Ioga, por exemplo. Mas, por que a ciência tem entrado no terreno da religião? Alguém deu a seguinte sugestão:
Há algum tempo, a ciência investiga conexões entre a mente e o corpo. Alguns cientistas descobriram que a fé de uma pessoa pode ajudá-la a viver uma vida mais longa e saudável. A oração pode baixar a pressão arterial e diminuir o ritmo cardíaco, dois fatores que contribuem para um sistema imunológico mais resistente.
Obviamente não é sensato o crente orar tendo em vista “uma vida mais longa e saudável”, ou para baixar sua pressão arterial e “diminuir o ritmo cardíaco”. A oração é um mandamento bíblico e tem por finalidade realidades espirituais, piedosas e celestiais:

E quando chegou àquele lugar, disse-lhes: Orai, para que não entreis em tentação. (Lucas 22:40)
Orai sem cessar (I Tessalonicenses 5:17)
E contou-lhes também uma parábola sobre o dever de orar sempre, e nunca desfalecer (Lucas 18:1)  
Algum tempo a ciência tem noticiado sobre os efeitos positivos de algumas práticas denominadas de terapias complementares (chamada antes de terapias alternativas). Essas terapias agora estão sendo usada em hospitais públicos e particulares; esta nova realidade é chamada de Medicina Integrativa:
Medicina Integrativa é a abordagem que procura casar tradicionais práticas baseadas em evidência com métodos que, em vez de focar num problema específico, buscam tratar o corpo como um todo.
A questão não é mais tratar a dor ou a enfermidade do paciente em si, mas “considerar outras demandas desse paciente, como questões emocionais, espirituais e familiares”. Algum crente pode perguntar: “Mas que mal há nisso?”.
A maioria das práticas é de origem oriental. As mais procuradas são: Acupuntura, Musicoterapia, Homeopatia, Fitoterapia, Aromaterapia, Hipnose, Técnicas de respiração, Meditação, Massagem Ayurveda, Quiropraxia, Reiki, Ioga, Florais de Bach. Essas práticas não são incentivadas pelas escrituras sagradas, ainda que pudesse trazer benefícios corporais ou mentais. Alguns crentes questionam o tratamento rigidamente de cunho espiritual e religioso que os apologistas têm dado a essas práticas e indagam se elas não poderiam ser feitas apenas na perspectiva do bem-estar.  
A hipnose, por exemplo, possui o potencial de expor a mente a manipulações humanas. A sugestão do hipnotizador é que a mente do paciente se esvazie. Como explica a dra. Rosemeire Lopes de Souza (psicóloga clínica): “Nesse estado, os sentidos são enganados e as percepções, radicalmente alteradas. É prejudicial à saúde mental, principalmente no que tange à sugestão pós hipnótica, quando o paciente, depois das sessões, realiza tarefas que tenta explicar de maneira racional por não se lembrar que fora induzido”. O cristão não deve expor sua mente a essa prática: “Tu conservarás em paz aquele cuja mente está firme em ti; porque ele confia em ti” (Isaias 26:3).
Determinado artigo incentivando o uso dos Florais de Bach (considerado um regulador das vibrações que nos equilibram com a natureza) enuncia o seguinte: “As emoções negativas são a causa primária de muitas doenças. Se intensas, podem distorcer a manifestação dos ideais de força, sabedoria e beleza, preexistentes na natureza humana”. O que eles chamam de emoções negativas a Bíblia denomina de efeitos da Queda do homem no Éden ou o pecado radical.
A Ioga é vista pela Medicina Integrativa como “uma atividade com caráter mais preventivo do que terapêutico”. Segundo os estudiosos os benefícios da Ioga advêm pela técnica de respiração, fortalecimento muscular ou postura corporal. A interpretação que é dada a Ioga neste caso é a de uma prática esportiva ou ginástica. Porém sabemos que a origem da Ioga é hinduísta. Quanto a metodologia não tem como separar os exercícios físicos de um processo mental. A mente humana é inevitavelmente envolvida. A Revista Defesa da Fé, em sua edição de número 37, informa que Pedro Kupfer, um dos principais formadores de professores de ioga no Brasil disse à revista “Super Interessante” que a “ioga sem meditação não é ioga”. A que tipo de meditação se refere Kupter? Pesquisando a vasta literatura dedicada à difusão da ioga encontramos o que vem a ser esta meditação: é liberar o “ego divino”, aprisionado dentro do homem, permitindo que poderes fluam para sua pessoa. Para o praticante experiente da ioga seu poder flui do seu próprio interior. O inexperiente terá a sensação de algo que vem de fora para dentro.
A Medicina Integrativa também incentiva a meditação, como uma terapia complementar ao tratamento médico. Percebemos que há uma tentativa cientifica de desassociar essas práticas de qualquer cunho religioso ou místico, mas o tiro sempre sai pela culatra. O Dr. Paulo de Tarso Lima, do Hospital Albert          Einstein ao comentar sobre os efeitos da meditação em um grupo de pessoas disse o seguinte: “Estamos avaliando, com exames de ressonância magnética, o impacto da meditação tibetana em pessoas que sofreram danos cognitivos por causa da quimioterapia” [meu grifo]. Esse tipo de meditação é voltado para o interior do homem e visa à extensão e expansão da mente.
A Bíblia também menciona a meditação. Mas, ela não é uma meditação no vazio, ou cósmica, visando equilibrar a mente e o corpo. O pastor Natanael Rinaldi escreveu algo interessante sobre a meditação bíblica:
O objetivo da meditação bíblica é a comunhão com Deus: “Portanto, se já ressuscitastes com Cristo, buscai as coisas que são de cima, onde Cristo está assentado à destra de Deus. Pensai nas coisas que são de cima, e não nas que são da terra” (Cl 3.1,2). O meio usado é a palavra de Deus: “Medita estas coisas, ocupa-te nelas, para que o teu aproveitamento seja manifesto a todos” (1Tm 4.15). E de modo racional: “Rogo-vos, pois, irmãos, pela compaixão de Deus, que apresenteis os vossos corpos em sacrifício vivo, santo e agradável a Deus, que é o vosso culto racional” (Rm 12.1).
Eu sei que alguns irmãos podem achar exagerada essa preocupação com as terapias complementares. Porém, a ideia central tem a ver com um ensino conhecido como holismo. A autora Caroline Faria, no site Info escola, dá a seguinte explicação para esta palavra:
A palavra “holismo” vem do grego “holos” que significa “todo”, “inteiro”, “completo”, e é usada para designar um modo de pensar, ou considerar a realidade, segundo a qual nada pode ser explicado pela mera ordenação ou disposição das partes, mas antes pelas relações que elas mantém entre si e com o próprio todo.
Qual a relação dessa filosofia com a saúde? Novamente a pesquisa de Caroline Faria informa:
Com implicações profundas em quase todas as áreas do conhecimento, a filosofia holística vem provocando questionamentos principalmente nos campos da saúde onde as doenças começam a ser encaradas como uma manifestação localizada de um distúrbio no equilíbrio do indivíduo como um todo, não apenas de uma de suas partes (questão focada por algumas práticas medicinais tradicionais como a ayurveda).
Minha sugestão é que não é prudente o cristão se submeter a essas práticas da medicina alternativa, pois no fundo estará sendo envolvido por técnicas paganizadas. Não questiono a eficácia das terapias alternativas no campo da saúde. Questiono a subserviência de cristãos diante de práticas que advogam doutrinas contrárias ao cristianismo bíblico e se colocam sob suas influencias. Mas isso fica para que cada crente faça uso da sua consciência diante de Deus.
Em caso de enfermidades e doenças físicas um médico profissional deve ser consultado. Porém no caso de problemas advindos de desiquilíbrio emocional ou mental é bom que o cristão utilize os meios da graça, tais como a oração, a leitura bíblica, a meditação nas coisas espirituais, e não a Ioga, a Hipnose, a Meditação...

No amor de Cristo,

11 comentários:

  1. A paz de Cristo,veja meu blog:willian bugiga e o site:www.convertidos.com.br
    fique na paz.

    ResponderExcluir
  2. Pra começar mude sua definição de Ciência, se é que vc esteja falando do mundo acadêmico, não posso julgar se por falta de escolaridade ou enganação de pessoas que também possui este problema.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Que Deus abençoe.Ele tem planos de paz,amor,esperança a todos .

      Excluir
  3. Até quando alguns vão ficar questionando o que se usa para o mal que seja...isso tudo é igual o fogo se usa para o mal e para o bem ...as pessoas escolhem. Assim como o conhecido natal.. A maioria dos cristãos comemoram essa data pagã...

    ResponderExcluir
  4. Olá caro anônimo!

    Obrigado por acessar meu blog e ler a referida postagem. Respeito sua opinião, apesar de não concordar com ela.

    ResponderExcluir
  5. Olá, gostei muito do que li e confesso que o assunto me interessa muito. Alias, algumas coisas eu já tinha compreendido dessa forma mas outras foram novidades. É uma pena que tão poucos conheçam a real finalidade dessas técnicas, para mim, tudo se resume a um grande engano causado por nosso inimigo e as vezes por cordialidade nós não falamos francamente a verdade para a qual fomos chamados.

    ResponderExcluir
  6. Olá anônimo (14 de abril de 2015).

    Fico muito feliz por acessar este blog e se identificar com a postagem. Obrigado mesmo.

    ResponderExcluir
  7. Bom dia ! Então o correto é se submeter a medicina convencional ? Se formos analisar a mesma veremos o quão obscurecida a mesma está. O que acha de estarmos submetidos a um mercado que visa lucro e cria doenças? O que acha de enchermos nosso corpo (Templo do Espírito) de drogas? Sim a alopatia lida com drogas.
    Sinceramente a hipnose pode ser vista até mesmo na Bíblia. " E caí como morto..." " Não sei se em espírito ou não...' Sempre mencionando estado mental alterado.
    Sinceramente, seus argumentos são todos , todos eles refutáveis. E só não o faço aqui por não possuir maior conhecimento no assunto, contudo até mesmo um psicologo cristão lhe refutaria facilmente.
    Estude um pouco mais sobre o assunto, pois para cada texto bíblico apresentado existem dezenas de outros que refutam sua argumentação!

    Grande abraço !

    ResponderExcluir
  8. Boa noite caro Max!

    O que é correto ou não (no uso das práticas medicinais), deixo por tua conta decidir. Faça uso da medicina que lhe aprouver - é seu direito. Ioga, hipnose, meditação não são práticas apoiadas pelas escrituras e está relacionada com paganismo e não cristianismo. Sua interpretação de I Coríntios 6:19 está equivocada. Ali o assunto do corpo é seu uso em imoralidade e não o uso de remédios.

    Não sou dono da verdade, apenas expresso minha opinião e sei que sou passível de refutação. A essência do artigo não é repudiar as terapias alternativas, mas apenas sugerir que não façamos uso desses procedimentos.

    Grande abraço.

    ResponderExcluir
  9. Fiquei muito mal,ao saber que não era bênção para minha vida essas praticas,acupuntura,homeopatia,micro Micro-fisioterapia.Mas Deus está no controle.

    ResponderExcluir