domingo, 6 de outubro de 2013

MARCAS DE UMA IGREJA VERDADEIRA

Por Gilson Barbosa

Devemos ter consciência de que não há igreja perfeita; isto é, a igreja como instituição. Esperar esta perfeição é “viajar na utopia”. Existem igrejas verdadeiras e igrejas falsas e isso não é difícil detectar. É só compararmos as igrejas com as seitas. Porém, reflito este assunto no sentido de saúde da igreja. O que é uma igreja saudável? Neste caso, há igrejas que são mais puras e outras menos puras.
Apesar de eu não admitir heresias nas igrejas evangélicas e até mesmo aponta-las, não ouso desclassifica-las como igrejas onde o Senhor deseja ser corretamente adorado nela. Lendo as cartas que o Senhor endereçou a algumas igrejas percebemos que talvez a pior igreja da Ásia tenha sido a de Laodicéia. Nela não há nenhum elogio:
 
E ao anjo da igreja que está em Laodicéia escreve: Isto diz o Amém, a testemunha fiel e verdadeira, o princípio da criação de Deus: Conheço as tuas obras, que nem és frio nem quente; quem dera foras frio ou quente! Assim, porque és morno, e não és frio nem quente, vomitar-te-ei da minha boca. Como dizes: Rico sou, e estou enriquecido, e de nada tenho falta; e não sabes que és um desgraçado, e miserável, e pobre, e cego, e nu; aconselho-te que de mim compres ouro provado no fogo, para que te enriqueças; e roupas brancas, para que te vistas, e não apareça a vergonha da tua nudez; e que unjas os teus olhos com colírio, para que vejas. (Apocalipse 3:14-18) 
Que situação catastrófica! Que tragédia espiritual! No entanto o Senhor ainda dá a esta igreja mais uma chance:
Eu repreendo e castigo a todos quantos amo; sê pois zeloso, e arrepende-te. Eis que estou à porta, e bato; se alguém ouvir a minha voz, e abrir a porta, entrarei em sua casa, e com ele cearei, e ele comigo. (Apocalipse 3:19,20) 
Porém, permanecer dentro de uma igreja como a de Laodicéia está na capacidade de paciência de cada crente. Pode ser que chegue o tempo onde o membro terá que tomar a decisão de permanecer ou não numa igreja nestas condições. Essa atitude também não é errada nem se configura pecado. É óbvio que não temos nem vemos na Bíblia exemplos de crentes procurando uma igreja mais pura para congregar. Parece que o contrário era verdadeiro: os falsos crentes é que a deixavam (leia I João 2:19). Mas pode ser que uma igreja se distancie muito da ortodoxia a ponto do membro decidir não permanecer mais nela. Então: que igreja frequentar? Quais devem ser os critérios que influenciarão na decisão? Sugiro alguns pontos.
 
1 – Uma igreja que prioriza a verdadeira pregação. Contudo, não se trata de qualquer pregação. Ela deve conter no mínimo dois elementos: ser verdadeira e expositiva. Quanto a ser verdadeira consta a sinceridade do pregador. Há muitos pregadores que sabem e conhecem corretamente as verdades doutrinárias, mas por diversas razões não possuem vontade de exercitá-la. São desonestos ou mal intencionados.
Quanto à maneira a pregação deve ser expositiva. Há muitos tipos de pregações, mas não são eficazes.  Não incentivo os métodos que usam as pregações textuais, temáticas, tópicas, biográficas, e por ai afora. Quando o apóstolo Paulo se despede dos irmãos efésios mencionou algo importante:
 
Porque nunca deixei de vos anunciar todo o conselho de Deus. (Atos 20:27) [ênfase minha] 
A pregação expositiva compreende o modo continuum. Este pode ser livro por livro, capítulo por capítulo. Outro ponto importante na pregação expositiva é o valor conferido ao contexto do capítulo que se está pregando. Ela é um manancial abundante de edificação, fortalecimento e exortação. Algumas pessoas não tem paciência com a pregação expositiva, pois, presumo eu, ela não se preocupa com os interesses individuais. Ela se preocupa com o que diz o texto bíblico e como aplica-lo à nossa vida. A pregação deve ter centralidade em nossos cultos. Uma igreja que a permuta por musicas, entretenimentos, eventos, programações, está fadada ao engano religioso e confusão no entendimento prático da fé cristã.
 
Se você é membro de uma igreja procure valorizar e ouvir a pregação expositiva. Se você leitor, for pastor e ou pregador se esforce em pregar este tipo de sermão. Não iluda o povo com mensagens particulares e arbitrárias.
2 – Uma igreja que pratica uma teologia bíblica. Não me refiro a debates fúteis e intermináveis nem a academicismo teológico. Refiro-me as crenças corretas. É antes de tudo uma cosmovisão bíblica do que teológica. Uma teologia bíblica se fundamenta numa hermenêutica sadia, exata, confiável, fiel e sincera. O apóstolo Paulo advertiu Timóteo sobre uma característica perversa dos últimos dias: os desvios teológicos.
 
Porque virá tempo em que não suportarão a sã doutrina; mas, tendo comichão nos ouvidos, amontoarão para si doutores conforme as suas próprias concupiscências; e desviarão os ouvidos da verdade, voltando às fábulas. (II Timóteo 4:3, 4)
Se você frequenta uma igreja onde os pontos fundamentais da fé cristã estão sendo distorcidos sugiro que a deixe. É necessário ter um entendimento correto a respeito das doutrinas importantes, tais como a do Homem, Cristo, Deus, Bíblia, Pecado, Espírito Santo, Salvação. É verdade que alguns pontos são secundários e não deveriam ser o “divisor de águas” das denominações evangélicas.
 
As doutrinas estão pontuadas nas escrituras sagradas para um entendimento correto; é o próprio Deus que deseja isso. Não deveria servir para dividir as denominações nem para a arrogância espiritual de qualquer pessoa. Não creio em inúmeras possibilidades de interpretações de um mesmo texto bíblico. Ele deve ter apenas um sentido.
É importante conhecer, saber e compreender nossas crenças. Isso fortalece nossas convicções e dá segurança. Particularmente entendo que alguns grupos evangélicos interpretam mais adequadamente os textos bíblicos. A Teologia Reformada, por exemplo, possui em seu bojo uma coerência estrutural quando analisada à luz das escrituras. Procure se informar a respeito desta teologia para sua edificação espiritual.
 
Mark Dever, em O Que é uma Igreja Saudável? (Ed:Fiel) escreveu a respeito da graça em possuir uma teologia:
Hoje a cultura materialista é norteada pelo mercado, que nos cerca, frequentemente encoraja as igrejas a entenderem a obra do Espírito em termos de marketing e tornarem a evangelização em anúncios. Deus é remodelado à imagem do homem. Em tais ocasiões, uma igreja saudável tem de ser bastante diligente em suplicar a Deus que seus líderes tenham uma compreensão bíblica e experiencial da soberania de Deus. Devem também rogar-lhe que seus líderes permaneçam totalmente comprometidos com a sã doutrina em toda sua glória bíblica.  
3 – Uma igreja que aplica a disciplina bíblica. Muitas igrejas estão vivendo em caos espiritual porque não se preocupam mais com a doutrina da santificação. Segundo o apóstolo Pedro a igreja é uma nação santa:
 
Mas vós sois a geração eleita, o sacerdócio real, a nação santa, o povo adquirido, para que anuncieis as virtudes daquele que vos chamou das trevas para a sua maravilhosa luz. (I Pedro 2:9) 
A igreja deve refletir o caráter de Deus: “Mas, como é santo aquele que vos chamou, sede vós também santos em toda a vossa maneira de viver; porquanto está escrito: Sede santos, porque eu sou santo.” (IPedro 1:15, 16). A desobediência aos mandamentos do Senhor, conforme registrado nas escrituras, com certeza redunda na desaprovação e castigo divino. Foi assim em todo o Antigo Testamento e não é diferente no Novo. O ultimo caso grave de aplicação da ira Divina vemos seu desdobramento físico no casal Ananias e Safira. Hoje Deus não pune mais pessoas como nos dias primitivos. Isso não significa que devamos ocultar pecados e manter conivência com os mesmos. O pecador deve ser admoestado. Leia I Coríntios 5:1-11.
 
A disciplina bíblica visa manter a santidade da igreja e não apenas punir os faltosos com base em algum tempo de reclusão. O pastor Augustus Nicodemus Lopes, em Mantendo a Pureza da Igreja (Ed: Cultura Cristã), destaca pelo menos três alvos da Disciplina Bíblica: Zelar pelo nome do Senhor, manter a pureza da Igreja e restaurar os faltosos.
A responsabilidade de julgar as ações de líderes e membros cabe à igreja local. É certo que um dia Deus julgará as obras de seu povo, porém a Bíblia ordena santidade na conduta dos que o servem e quando estes transgredirem  a lei de Deus devem ser exortados seriamente e em amor.
 
Três elementos essenciais
Na igreja onde você frequenta há estes três elementos? Pregação expositiva, teologia bíblica e disciplina bíblica? Se a resposta for negativa, a situação não é nada boa, pois não há a mensagem exata de Deus, crença correta, nem preocupação com a santidade do povo.
 
Que o Senhor tenha piedade dela!

Nenhum comentário:

Postar um comentário