quarta-feira, 19 de janeiro de 2011

SOFISMA ESPÍRITA

 Por Gilson Barbosa

Recentemente, a revista Época[1]divulgou algumas informações importantes referente ao kardecismo. Entre tantas estão: o número de adeptos (cerca de 20 milhões), a aderência de jovens, a expansão entre a classe média, a produção e venda de livros, os filmes e novelas produzidos e a difusão do ensino espírita nos Estados Unidos da América.
É interessante como algumas seitas se apóiam em elementos que supostamente consubstanciam não suas ideologias como caracterizam suareligiãocomo a detentora da verdade absoluta, quando não muito oferecem opções para o ecumenismo e o famigerado sincretismo religioso.
         Os espíritas kardecistas se orgulham de classificar seus ideais como filosóficos, o aumento dos adeptos como um vaticínio positivista e seus escritores como eruditos. Pensam, então, que estes elementos validam e corroboram o espiritismo como um MODELO IDEAL de religião ou, no mínimo, de uma “filosofia de vida”.  Se quantificação de adeptos fosse parâmetro apropriado, teríamos de admitir que o profeta Elias não servia ao verdadeiro Deus nem mantinha uma religião ideal, pois estava em desvantagem numérica face aos profetas de Baal (1Rs 18.19). O fator inteligência é tão inapropriado quanto, pois, se assim fosse, alguns filósofos como Sócrates, Platão e Aristóteles, igualmente, poderiam ter contribuído para a credibilidade da cristã (Mt 11.25). Por fim, a ausência de erudição faria de Pedro, Amós e outros escritores bíblicos de somenos importância (obra erudita) um proliferador de mentiras.
Será que a verdade e o modelo ideal estariam com homens descomprometidos com a totalidade dos mesmos como Karl Marx, Friedrich Niestche, David Hume, etc (Jo 8.32; 14.6)? Suas obras eram eruditas, mas, neste caso, o pescador Pedro é muito mais confiável como modelo ideal do autêntico norte que aponta para a verdade (1Co 2.13).
        
Argumento espírita
“E, como aos homens está ordenado morrerem uma vez, vindo depois disso o juízo” (Hb 9.27).
Um dos pilares básicos dos ensinos espíritas é a reencarnação. Assim posto, um resoluto espírita deu sua interpretação ao texto de Hebreus, expressando que o mesmo não replica a reencarnação. Insiste que a Bíblia realça a evidencia do morrer apenas uma vez, e não viver uma vez. No espiritismo, não é ensinado que a pessoa morre diversas vezes ao se reencarnar, pois a reencarnação é validada por apenas uma única morte.
Outro fato, observado pelo atento espírita, mostra a incoerência das ressurreições ocorrerem na Bíblia, visto que os ressuscitados, nos casos citados pelas Escrituras, tornaram a morrer.
O espírita também questiona onde se situa o juízo dos crentes salvos.

Reencarnação, milagres e juízo
Ainda que estes argumentos espírita demonstrem coerência, a reencarnação é condenada em muitos outros textos bíblicos. Porém temos o primeiro problema: Se o homem morre apenas uma vez, como explicar as ressurreições relatadas nas Escrituras Sagradas? (1Rs 17; 2Rs 4; 13; Mt 9; 27; Lc 7; Jo 11; At 9; 20).
Devemos notar a diferença entre a questão da ressurreição como um milagre operado por Deus contrapondo com uma espécie de banalização do seu acontecimento. Uma questão importante é verificar que o escritor aos Hebreus tratou do assunto com os leitores de forma natural e não houve nenhuma dúvida. Afirmamos que os mortos ressuscitados – por Jesus, profetas e discípulos – foram objetos de milagre, por isso tornaram a morrer, e não que os mortos ressuscitam todos os dias rotineiramente.
O autor não está tratando do assunto milagres, pois é fato incontestável que os ressuscitados voltaram a morrer. O teor do texto é a perfeição do novo pacto instituído por Cristo (Hb 9.1-28). Sendo assim, não precisaria Jesus morrer diversas vezes, como sacrifício, para validar a redenção, reproduzindo a forma com que o ritual hebreu prescrevia na Antiga Aliança (v.28). Este ensino não contradiz a morte ocorrida novamente, após as ressurreições, pois estes fatos evidenciam e comprovam o poder natural de Deus, o caráter do Messias (Mt 11.3-6) e o poder do evangelho (At 9.36-41).
O perspicaz espírita afirma ainda que para ser válido, o texto bíblico contra a reencarnação deveria afirmar que “aos homens está ordenado viverem uma vez ”, sim a reencarnação estaria sendo condenada. Então, temos que um espírita morre uma vez, mas vive várias vezes. Contudo, este texto nãomargem à ideologia da reencarnação, pois após a morte segue-se o juízo e não uma jornada interminável e sucessória de vidas. Mas, qual juízo? Não significa que o julgamento ocorre logo ao morrer, ou que a morte será próxima ao juízo, ou ainda, que este juízo poderia ser a purificação através do carma pessoal, como pensa o espírita.
Russel Champlin redige em sua obra: “A expressão indefinida no grego meta tauto (depois disto), não admite que qualquer indagação dessa ordem seja levantada”.[2] Aos crentes salvos, que morreram em Cristo e com Cristo, haverá o julgamento de suas obras dentro do aspecto cristão para a outorga dos galardões (2Co 5.10). Aos que morrem sem Cristo, e sem apropriar-se da salvação Nele (At 4.12), suas expectativas e sua eternidade estão confinadas no Hades (Lc 16.23) por um tempo (Dn 12.2), até que sejam julgados no grande Trono Branco (Ap 20.11,12) e sentenciados à eterna separação de Deus (Ap 20.14,15).
Ao adepto do espiritismo cabe reconhecer que por mais que sua apologia seja calorosa e inteligente, a reencarnação não passa pelo crivo das Escrituras Sagradas de forma alguma e reinterpretar Hebreus 9.27 não passa de um sofisma espírita [3].

     


[1] Edição 424, 03 de Julho de 2006.
[2] Comentário do Novo Testamento, Hebreus 9.27, pg. 593.
[3]Argumentos falsos com aparência de serem verdadeiros”.

Nenhum comentário:

Postar um comentário