sexta-feira, 23 de setembro de 2011

A PLENITUDE DO REINO DE DEUS (Subsidio EBD)

Por Gilson Barbosa
Queira me perdoar nobre leitor, mas o jargão, “decretando” nos eventos de atos proféticos e nas marchas para Jesus, de que “o Brasil é do Senhor Jesus” só pode ser algo sensacionalista ou um dito sem fundamento. Se um dia acontecer do Brasil ser totalmente de Cristo poderíamos dizer que a plenitude do seu Reino tem chegado – o que não é defendido na própria teologia escatológica desses movimentos, pois são pré-milenistas. Ou então o jargão é apenas uma “declaração profética” dos que defendem um triunfalismo escatológico. O triunfalismo se reveste de um sentimento exagerado de triunfo, o que não representa a realidade.
A própria teologia da prosperidade, com sua pregação acentuadamente no momento presente, destitui a pregação escatológica do seu devido lugar na teologia bíblica, ainda que não seja essa a intenção básica dos tais pregadores. Entre outras implicações negativas, nas promessas de conquistas financeiras, aquisições de imóveis, carros, dos sonhos utópicos, está implícita uma preocupação que resultará paulatinamente na dispensa do crente ter o “olhar voltado para o porvir”. A prosperidade financeira, física, o sucesso, a fama, não é requisito “dos autênticos representantes de Deus na terra”. Jesus disse (Lc 17.20, 21) que o reino de Deus não viria com aparência exterior: “E, interrogado pelos fariseus sobre quando havia de vir o reino de Deus, respondeu-lhes, e disse: O reino de Deus não vem com aparência exterior. Nem dirão: Ei-lo aqui, ou: Ei-lo ali; porque eis que o reino de Deus está entre vós”.
AS DIMENSÕES PRESENTE E FUTURA DO REINO DE DEUS

O reino de Deus possui uma dimensão presente, pois, é o governo de Deus no coração das pessoas. Trata-se da poderosa transformação e regeneração produzida por Deus na vida do pecador: “Portanto, se alguém está em Cristo, é nova criação. As coisas antigas já passaram; eis que surgiram coisas novas!” 2 Co 5.17. Depois de ser regenerado temos que viver conforme as diretrizes estabelecidas por Cristo: “Aquele que diz que está nele, também deve andar como ele andou” I Jo 2.6. Seguindo as ordenanças de Cristo seremos melhores cidadãos e produziremos uma sociedade segundo o coração de Deus. Segundo a linha de escatologia pré-milenarista o reino de Deus possui uma dimensão futura. Ele é conhecido como o reino do Messias. Este reinado é denominado no estudo escatológico de Milênio, isto é, “a ideia de que Cristo, na sua volta, irá instaurar um reino literal sobre a terra, durante mil anos”. Leia Apocalipse 20.4-6: “E vi tronos; e assentaram-se sobre eles, e foi-lhes dado o poder de julgar; e vi as almas daqueles que foram degolados pelo testemunho de Jesus, e pela palavra de Deus, e que não adoraram a besta, nem a sua imagem, e não receberam o sinal em suas testas nem em suas mãos; e viveram, e reinaram com Cristo durante mil anos. Mas os outros mortos não reviveram, até que os mil anos se acabaram. Esta é a primeira ressurreição. Bem-aventurado e santo aquele que tem parte na primeira ressurreição; sobre estes não tem poder a segunda morte; mas serão sacerdotes de Deus e de Cristo, e reinarão com ele mil anos” (Grifo meu). Segundo o pré-milenarismo este é um dos textos que refuta as posições amilenista e pós-milenista, com respeito ao Milênio.
ETIMOLOGIA DA PALAVRA

O período de mil anos, em que Cristo reinará, será uma demonstração da qualidade do governo Divino. Apesar da palavra milênio não ser encontrada na Bíblia, contudo seu ensino está lá. “A palavra Milênio vem do latim mille, que significa “mil”, (a palavra grega para Milênio vem de chilias, que significa “um mil”), e annus, que significa [em latim] “ano”, [etos em grego]. O termo grego é usado seis vezes no texto original do capítulo vinte de Apocalipse para definir a duração do reino de Cristo na terra antes da destruição do velho céu e da velha terra. Então, a palavra Milênio refere-se aos mil anos do futuro reinado de Cristo que precederão a eternidade”.[1]
ALGUNS FATOS IMPRESSIONANTES SOBRE O MILÊNIO

Apesar de Cristo governar por mil anos, e muitos fatos impressionantes acontecerem nesse período, isso ainda não pode ser compreendido como a plenitude do reino de Deus. Segundo o pastor Wagner Gaby “a glória eterna dos justos e a nossa comunhão perfeita com Deus” se dará na eternidade. Tomando como base o livro Calendário da Profecia, do pastor Antonio Gilberto, saberemos de coisas impressionantes que acontecerão no Milênio, sob o governo de Cristo:
Mudança no reino animal – Ou seja, na natureza dos animais. A ferocidade deles será removida. Não mais se atacarão, nem atacarão o homem (Is 11.6-8; 65.25; Ez 35.25).
Haverá prosperidade geral para todos - Todos possuirão casas (Is 65.21,22). Hipotecas, aluguéis e dívidas de casas serão coisas do passado (Mq 4.4 e Zc 3.10). O hebraísmo constante dessas últimas referências denota prosperidade geral.
A vida humana será prolongada como no princípio da história humana, no livro de Gênesis - (Is 65.20,22 e Zc 8.4.) Haverá abundância de saúde para todos. Isso em muito contribuirá para prolongar a vida (Is 33.24). Outros fatores contribuintes são: as bênçãos especiais de Deus, as mudanças climáticas, a redução do efeito do pecado e da ação dos demônios; as condições mais favoráveis da vida, e a melhor nutrição.

O gênero humano - Haverá muita fertilidade no gê­nero humano. Zacarias 8.5 diz que as praças da cidade se encherão de meninos e meninas, que nelas brincarão (Jr 30.19; 33.22; Os 1.10). Os óbitos serão reduzidos (Is 65.20). Os cemitérios não terão a grande freguesia de atualmente. Morrerão apenas os que cometerem pecado digno de morte. É o que entendemos da referência acima.

A renovação de toda a criação - A criação toda também aguarda esse tempo para sua libertação das consequências do pecado a que ficou sujeita desde a queda do homem (Rm 8.19-23). Aí vemos que o pecado afetou não somente o homem, mas toda a criação. Ele trouxe desarmonia, inimizade, deterioração, deformação e desequilíbrio, não somente no relacionamento entre Deus e o homem, e entre este e seus semelhantes, mas também no universo em que vivemos. Furacões, terremotos, secas, inundações, pragas, frio e calor excessivos, etc, são alguns desses males.
O ESTADO ETERNO DA IGREJA

Logo após o Milênio e a completa derrota de Satanás (Ap 20.10) os salvos em Cristo entrarão no estado eterno. “Este estado de eterna glória, em que Deus já terá enxugado as lágrimas de todos os salvos, jamais findará. Jesus Cristo entregará o Reino ao Pai. Haverá um novo céu e uma nova terra onde habitará a justiça. Não haverá mais tristeza, nem ódio nem dor, nem lembranças amargas do passado. Não haverá mais noite e o tempo cronológico provavelmente deixará de existir. Todos os salvos de todas as épocas se reconhecerão e estarão juntos eternamente. O puro e perfeito amor será desfrutado na sua inteireza. Acredito que não haverá mais a possibilidade de pecar. Os salvos serão unidos ao Senhor de maneira perfeita, física (corpo ressurreto e incorruptível) e espiritualmente, nas suas frontes estará gravado o Seu nome”.[2]

Em Cristo,


[1] John F. Walvoord, Prophecy: 14 Essential Keys to Understanding the Final Drama (Nashville: Thomas Nelson Publishers, 1993), p. 139.
[2] SILVA, Ézio Pereira da. Seminário de Escatologia.

4 comentários:

  1. Texto muito bom. Se me permitir, gostaria de usá-lo como subsídio para minha aula na EBD. Que Deus continue te dando sabedoria e graça.

    ResponderExcluir
  2. Pr Elizeu,

    Ouvir isso do senhor me dá mais ânimo ainda. Sempre que a postagem interessar use livremente.

    Em Cristo,

    ResponderExcluir
  3. Esse texto é uma preciosidade. Estava procurando algo mais para incrementar minhas aula e vou usá-lo na EB da minha Igreja. Que Deus o abençõe!

    ResponderExcluir
  4. Caro Anônimo,

    Obrigado por visitar esse blog. Sempre quando posso procuro postar comentários da EBD. Sinta-se a vontade para utilizá-los.

    Um abraço,

    ResponderExcluir